Juarez Fonseca comenta O que será que está na moda?

Selmma canta a sua geração

Sabe aquele tipo de disco que exala sensibilidade e tem um frescor de orvalho que a gente quase não encontra mais? É assim O que será que está moda?, da mineira Selmma Carvalho.

Também pianista e artista plástica com formação superior, professora de técnica vocal na UFMG, ela alimenta sua carreira de cantora desde 1990, ano do primeiro show.

Em 1996, veio o disco de estreia, em 2000 o segundo, e agora o terceiro, lançado com o apoio da Lei de Incentivo à Cultura de Minas. Se o Brasil ainda não a conhece como deveria, seus discos, e principalmente este, se caracterizam pela ausência de fronteiras estaduais entre os compositores, sendo portanto brasileiríssimos. A voz macia de Selmma valoriza muito as letras e o roteiro parece ter sido montado para que as faixas dialoguem, bem estruturadas pelos arranjos de Rogério Delayon (também guitarra, violão, teclados).

A audição começa com Pra ser levada em conta, do mineiro Vander Lee, e termina com A Espera, do paulista Kléber Albuquerque. Tem Mesmo Sozinho, do paulista Nando Reis; Túnel do Tempo, da carioca Verônica Sabino; Balada para Giorgio Armani, do maranhense Zeca Baleiro; Sinal dos Tempos, do gaúcho Totonho Villeroy; Na estrada, das fluminenses kali C/ Suely Mesquita; Nesse lugar, do mineiro Tattá Spalla; Coisas de Você, de Vitor Ramil, também gaúcho; Polaroides, dos cariocas Celso Fonseca e Ronaldo Bastos, e o samba Imitação, do baiano Batatinha, único da lista que não faz parte da geração da cantora. Sem dúvida, Selmma Carvalho está na moda. Faz moda. (distribuidora Tratore)

Jornal Aldeia
25/02/2007